quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Câmara de Vereadores recebe comissão de Professores grevistas

                           A Câmara de Vereadores de Maracanaú realizou a Sessão Legislativa de terça-feira com o plenário lotado de professores da rede municipal que estão em greve desde o início do mês.
                 Ao contrário de quarta-feira passada,o clima foi mais ameno e os profissionais da educação municipal esperaram o Presidente Carlos Alberto Gomes (DEM) encerrar a Sessão Legislativa, sendo iniciada logo após o encerramento uma reunião entre uma comissão dos grevistas e os Vereadores do município.
                 Conduzidos pelos Vereadores Carlos Alberto, Demi Peixoto (PR), Capitão Martins(PR), membros da Mesa Diretora; Chico Barbeiro (PC do B) e representantes da oposição Júlio César e Tales, a reunião demorou mais de três horas e ficou acertado que os grevistas, através do sindicato da categoria, vai encaminhar técnicos para reunião com a equipe da Prefeitura, com a finalidade de analisar as condições financeiras e tentar uma proposta que encerre o estado de greve.
                 A greve vem prejudicando os alunos e pode prejudicar inclusive as finanças municipais, já que com a proximidade de provas avaliativas nacionais os índices municipais tendem a cair e eles são utilizados para distribuição de recursos para o município.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

A Retórica da Mentira

Propaganda levada ao ar pelo PT busca enganar os brasileiros e omite que a ruína atual que ora se busca consertar é decorrência direta das irresponsabilidades de Lula e Dilma

O dia era devotado à padroeira do Brasil, mas o PT ignorou o caráter religioso da data e incorreu em vários pecados na propaganda partidária que levou ao ar na última quinta-feira, feriado nacional dedicado a Nossa Senhora Aparecida.
Programas políticos veiculados em rádio e TV raramente se notabilizam pela sinceridade e pela honestidade das mensagens que propagam. Mas o dos petistas foi especialmente pródigo em tentar enganar o espectador.
Numa narrativa típica do Brasil Grande da época dos militares no poder, números grandiosos foram enfileirados para tentar dar contornos a um país que a própria prática petista cuidou de implodir no momento seguinte. Muitas das realizações exibidas na primeira parte da propaganda enganosa petista ruíram pelos erros cometidos por ninguém menos que Dilma Rousseff - aliás, quase ignorada na peça - e Luiz Inácio Lula da Silva.
Foi o próprio modelo insustentável de política posta em marcha pelo petismo que preparou e contratou o desastre que, num curto espaço de tempo, transformou em pó o pouco que o país havia conseguido avançar nas asas da bonança econômica global que marcara a primeira década deste século. A irresponsabilidade, a demagogia e o populismo transformaram em fumaça os ganhos conquistados pela população.
A recessão semeada e adubada pelo PT é atribuída, de maneira enganosa, ao atual governo e àqueles que sempre se opuseram ao modo fraudulento de gestão dos petistas. É como se aqueles que há um ano e cinco meses tentam consertar os enormes estragos impostos por Lula e Dilma ao país fossem os responsáveis pela destruição.
Não há, claro, menção aos três anos de recessão patrocinados pelo PT, à destruição da renda dos brasileiros promovida pelo PT, ao retrocesso social decorrente das políticas populistas postas em marcha pelo PT, aos 14 milhões de desempregados legados pelo PT, à implosão do orçamento público resultante da irresponsabilidade do PT ou à corrupção desenfreada que levou a cabo os governos do PT.
Toda esta ruína é atribuída pela propaganda petista "aos efeitos de uma nova crise internacional" que, no entanto, jamais existiu. As necessárias medidas de ajuste postas em prática pela gestão de Michel Temer são equiparadas a maldades cujo único intuito é prejudicar os beneficiados pelo petismo e não à correção do rastro de destruição deixado por Lula e Dilma. Pela propaganda, resta claro que o PT não tem nem terá compromisso com as necessárias reformas que o país precisa promover para voltar a crescer.
A visão distorcida de mundo dos petistas também se sobressai quando conquistas individuais são sempre retratadas como se fossem dádivas concedidas por governos do partido. As realizações da universitária que se forma, da vendedora que consegue sua casa, da agricultora que progride devem menos a seus esforços pessoais e mais a benesses franqueadas pelo poder. Para o PT, o indivíduo é sempre menor que o Estado.
A Lula, a propaganda destina o único papel que o PT desde sempre lhe reservou: o de salvador da pátria. Apresentado como o redentor do povo, surge como uma versão atualizada do "rouba, mas faz". Para o petismo, tanto faz, desde que lhe garanta a volta ao poder. Os depoimentos da militância exibidos na propaganda reforçam o caráter de seita - a mesma que Antonio Palocci escancarou em sua carta de desfiliação do partido - que o PT devota a seu líder-mor.
Em sua propaganda veiculada na semana passada, o PT ensaia a narrativa que tentará vender aos eleitores em 2018: o Brasil de antes era melhor que o Brasil de hoje. Omite que a penúria do presente é consequência direta do modelo enganoso posto em prática por Lula e Dilma. Oculta que as dificuldades de agora são tributárias da irresponsabilidade no trato do dinheiro e dos bens públicos que marcou os governos petistas.
À retórica da mentira petista será preciso contrapor a mensagem da verdade. A recessão, o desemprego, a corrupção, o desalento que têm marcado o Brasil e os brasileiros nos últimos anos são frutos das práticas do PT. As dificuldades, as restrições, o dinheiro curto são devidos à forma predatória com que o PT ocupou o poder. Para se desenvolver de fato, o Brasil precisa confinar o PT ao passado e jamais dar-lhe uma nova chance no futuro próximo.
Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela
 

ITV - Instituto Teotônio Vilela - SGAS 607 Edificio Metropolis Sala 30 - CEP: 70200-670 - Brasília-DF
Fone: 61 3424-0597 - Fax: 61 3424-0515 - itv@itv.org.br


sábado, 14 de outubro de 2017

Prefeito Firmo Camurça(PR) reúne Secretários e debate obras e comunicação.

   
O Prefeito Firmo Camurça (PR) realizou nesta semana uma reunião geral com todos os Secretários Municipais e Assessores Especiais para avaliar o quadrimestre financeiro e as ações e inaugurações constantes na calendário.
    A Prefeitura entrega semanalmente obras e serviços nos bairros do município,sendo praças, asfaltos e iluminações.
    Outro item da pauta de reunião foi a avaliação da comunicação nas Redes Sociais e o enfrentamento das criticas e fake news existentes.

    Tivemos o prazer de participar e orientar os Secretários sobre a conduta nas diversas Redes Sociais. 



O Vigor do Comércio Exterior

Com política externa de novo orientada à integração global, país volta a buscar mercado externo. Negociação com União Europeia é crucial para ampliar oportunidades
Um dos aspectos menos destacados da incipiente recuperação que a economia brasileira experimenta é a expansão do nosso comércio exterior. Com o mercado interno ainda avariado pela recessão, exportar mostrou-se a melhor saída para a produção nacional. O Brasil está voltando suas atenções ao resto do mundo.
Os resultados alcançados até setembro são significativos. Nos nove primeiros meses do ano, o superávit comercial brasileiro chegou a US$ 53,3 bilhões. É a maior marca registrada na série histórica, iniciada em 1989, com alta de 47% sobre o mesmo período de 2016. O saldo anotado no mês também foi recorde.
O país está conseguindo superávits mesmo com alta expressiva também das importações, que crescem há dez meses - em setembro, o aumento foi de 18%. Isso sugere que o vigor das operações com o exterior tem sido disseminado: é a corrente de comércio como um todo que está crescendo e não apenas as exportações, como acontecia até poucos meses atrás.
O ritmo de alta das vendas ainda é bem maior que o das compras. Até setembro, as exportações aumentaram quase 19% no ano, com crescimento tanto de preços, quanto de volume embarcado. O recorde mensal permanece sendo o de 2011. Commodities ainda são o principal item da pauta. Tal desempenho deve levar o comércio exterior brasileiro a fechar o ano com saldo acima de US$ 60 bilhões.
A balança comercial de setembro - divulgada pelo Ministério do Desenvolvimento na semana passada - trouxe ainda outro dado alentador: as importações de chamados bens de capital aumentaram pelo segundo mês consecutivo. Foram 34%, depois dos 6% registrados em agosto. Isso significa investimento em máquinas e equipamentos que se reverterão em maior produção interna logo à frente.
O Brasil passou longo período apartado do concerto global das nações. É claro que nossas empresas nunca desistiram de negociar com o resto do mundo, mas o governo do país é que pouco fazia para ajudá-las. Na era petista, o mercado interno foi tratado como suficiente para alavancar o crescimento econômico. Não é, como ficou claro com a recessão.
Essa política externa de alijamento vem sendo revertida pelo atual governo. No último ano e meio, nossa chancelaria passou a ser dirigida com as atenções voltadas ao resto do globo, na defesa do interesse nacional e da democracia. Muito diferente do alinhamento a regimes autoritários e da postura de costas para o mundo que marcaram as políticas petistas na área.
Neste sentido, é crucial que se redobrem os esforços em favor da conclusão das negociações em torno de um acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia. Trata-se da principal agenda de comércio exterior brasileira dos últimos tempos, cujas tratativas se arrastam há duas décadas. A diplomacia brasileira deve perseguir firmemente este entendimento, para impulsionar ainda mais nossas exportações. Mas não deve aceitar propostas restritivas e limitadas como as que alguns países europeus estão tentando nos empurrar.
Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela
 

ITV - Instituto Teotônio Vilela - SGAS 607 Edificio Metropolis Sala 30 - CEP: 70200-670 - Brasília-DF
Fone: 61 3424-0597 - Fax: 61 3424-0515 - itv@itv.org.br


quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Pela Independência e Harmonia entre Poderes

Se o que interessa aos brasileiros é preservar um sistema legal equilibrado e justo, o STF deveria pacificar entendimento de que, para punir parlamentares, só a Constituição é válida
A discussão que os ministros do Supremo Tribunal Federal irão travar nesta quarta-feira é definidora do bom funcionamento do nosso Estado democrático de direito. A partir dela, ficará claro se o princípio basilar da Constituição brasileira que estabelece que os poderes da República são independentes e harmônicos entre si está sendo respeitado.
A mais alta corte do país julga a partir desta manhã uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI) que contesta a possibilidade de adoção de medidas cautelares contra parlamentares sem que a respectiva casa legislativa (Câmara ou Senado) seja consultada. A questão foi levada ao STF pelos partidos PP, PSC e Solidariedade em maio de 2016.
É preciso ter claro que a Constituição dispensa tratamento especial a parlamentares. Eles não são tratados como cidadãos comuns por razão muito simples: não estão no Parlamento como meros indivíduos, mas sim como representantes de parcela da população que os elegeu para ali representá-la. Cada deputado ou senador é, portanto, uma pequena parte do Poder Legislativo.
Como os poderes da República não se sobrepõem uns aos outros, mas devem conviver em equilíbrio e com atribuições específicas entre si, não cabe a interferência ou a prevalência de um sobre o noutro.
A lei magna prevê que é possível o Judiciário punir um parlamentar em apenas uma situação: flagrante de crime inafiançável. E somente com um tipo de penalidade: a prisão, desde que chancelada por maioria dos demais representantes do povo na respectiva casa legislativa, em prazo de até 24 horas depois da comunicação.
A ADI que os ministros do Supremo analisarão hoje refere-se à possibilidade de aplicação de medidas cautelares, ou seja, diversas da prisão, contra parlamentares. Isso não está previsto na Constituição, mas numa legislação ordinária, o Código de Processo Penal (CPP).
Pior: o texto, em seu artigo 319, sequer estabelece condições específicas para punição a detentores de mandato eletivo, como, por exemplo, Câmara ou Senado terem de ser ouvidos em casos de imposição de cautelares a deputados e/ou senadores.
Trata-se, parece evidente, de flagrante conflito com o que a lei maior do país determina. Pareceres recentes da Advocacia-Geral da União e da Advocacia do Senado rechaçam a aplicação de medidas cautelares alternativas à prisão contra parlamentares, por considerá-las inconstitucionais.
No fim de setembro, Aécio Neves (PSDB) foi alvo de duas das mais extremas medidas previstas no artigo 319 do CPP: foi afastado do exercício do mandato de senador e submetido a recolhimento domiciliar noturno. As punições foram impostas com base em voto de apenas três dos onze ministros do STF, e sem que sequer houvesse denúncia formalizada contra o parlamentar eleito por Minas Gerais. Claramente, não cabem.
Se o que interessa aos brasileiros é preservar um sistema legal equilibrado e justo, o STF deveria na sessão de hoje acolher a ADI movida pelos três partidos e considerar que parlamentares não estão sujeitos a ser punidos por meio de medidas cautelares previstas numa lei ordinária. O que deve valer, sempre, é o que determina a Constituição.
Do contrário, correremos o risco de ver as leis serem aplicadas a bel-prazer do julgador, de forma discricionária, ao sabor de casos individuais e sob pressão de clamores difusos por punições indiscriminadas. Não é isso o que um Estado democrático, com poderes harmônicos e independentes, deve aceitar, acolher ou abrigar. Para o bem de cada um e de todos nós.
Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela
 

ITV - Instituto Teotônio Vilela - SGAS 607 Edificio Metropolis Sala 30 - CEP: 70200-670 - Brasília-DF
Fone: 61 3424-0597 - Fax: 61 3424-0515 - itv@itv.org.br

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Câmara de Vereadores homenageia SOBEF

A Câmara Municipal de Maracanaú realiza nesta segunda feira uma Sessão solene em homenagem aos 10 anos da SOBEF em Maracanaú. 
O Requerimento Legislativo solicitando a homenagem foi apresentado pelos Vereadores Rafael Pessoa e Rafael Lacerda.
A SOBEF fica localizada no Distrito de Mucunã e atende crianças carentes do município e Região Metropolitana.
O Presidente da entidade é o jovem Aílton Fonseca.
Aílton Fonseca, Presidente da SOBEF com este colunista.

domingo, 8 de outubro de 2017

Maracanaú ganha uma Agência Digital para inovar o mercado

  Estamos lançando uma agência digital com uma equipe criativa e inovadora,com conhecimento digital, de mercado, cliente e marca.
   Trabalhamos com as novas tecnologias e com toda a capacidade digital.
    Nossa equipe tem a capacidade de criar campanhas e ações de comunicação, além da produção de sites e o desenvolvimento de novos negócios.
   
Nossos Serviços:

   * Gestão e monitoramento de Mídias Sociais
   * Compra de Mídias Digitais ( Google, Facebook,etc)
   * Marketing de Conteúdo
   * Criação de Campanhas de e-mail marketing
   * Criação de Landing Pages
   * Consultoria em vendas
   * Organização de eventos ( feiras, festivais, seminários, inaugurações, etc)
   * Ações de Panfletagem,ativação de marca, blitz, endomarketing,marketing de guerrilha e execução de ações diferenciadas.

   Estamos implantada no Centro Comercial de Maracanaú, no Feira Center, Torre 2, Sala1008 e contamos ainda com um estúdio de gravação para produção de vídeos  institucionais e atendimento a blogueiros e empresas.