terça-feira, 15 de agosto de 2017

Câmara Municipal realiza sessão e aprova requerimentos

      A Câmara Municipal de Maracanaú realizou sessões Legislativas na segunda e nesta terça com a aprovação de uma moção, 2 votos de pesar ; 1 Projeto do Executivo e 32 Requerimentos Legislativos.
    Dentre os Requerimentos Legislativos temos o que solicita ao Deputado Federal  Raimundo Gomes de Matos uma Areninha para o Bairro Boa Vista, no Centro de Maracanaú. 
        O Requerimento é do Vereador Carlos Alberto, Presidente da Casa Legislativa.
      O Vereador Raphael Pessoa requer uma parceria com o terceiro setor para criar um programa para capacitar o jovem aprendiz e Rafael Lacerda solicitou a ampliação das salas de aula da Escola Joaquim Aguiar, no Bairro Parque Tijuca.
       
Vereador Carlos Alberto Mota, Presidente da Mesa Diretorar



Estiveram presentes na Sessão a Guarda Municipal e uma representação da Mediação Comunitária do Município, tendo a as mediadoras Tercyane Freire e a Professora Terezinha Santana Marinho.

Temos Vagas

 


A economia real está mandando seu recado ao mundo da política: superem sua crise porque os brasileiros estão prontos para trabalhar para superar os erros que o PT produziu
A recuperação da economia brasileira ainda é incipiente e tímida. No entanto, vem ocorrendo onde se faz mais necessária: na geração de empregos. Lentamente, voltam a ser criadas vagas de trabalho, agora puxadas por vários setores e não apenas pelo campo. O mundo real está dizendo à política: superem a crise que vocês criaram que o país decola!
Mais uma manifestação da recuperação veio dos resultados do Caged em julho, divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho. No mês, foram abertas quase 36 mil novas vagas com carteira assinada. É o quarto período consecutivo no azul e o quinto resultado mensal positivo em 2017 até agora - apenas em janeiro e março houve fechamento de postos.
Julho costuma ser época tradicionalmente ruim para o mercado de trabalho. Não foi o caso desta vez. Além disso, a expectativa de analistas era de, no máximo, um resultado timidamente positivo, mas os números vieram acima até das melhores projeções. Em julho de 2016, haviam sido fechadas 95 mil vagas.
No ano, já são 103 mil novas vagas abertas no total - em julho de 2016, a perda acumulada era de 623 mil vagas. Ao contrário do que vinha ocorrendo, a alta se disseminou por todos os setores da economia; o fardo não está mais apenas sobre as costas da agropecuária.
Agora cresceram também os empregos na indústria - que teve o primeiro resultado positivo desde janeiro de 2014 e liderou as contratações no mês, com 12,6 mil novos postos - e na construção civil, que há 33 meses consecutivos não tinha geração líquida de vagas.
No mês passado, o IBGE já havia dado a primeira boa notícia no campo das suas estatísticas de emprego, que também abarcam as vagas informais, ou seja, sem carteira assinada, no país. Já tem gente achando que o desemprego pode cair num ritmo mais rápido do que se previa até agora. Oxalá.
No trimestre encerrado em junho, a taxa de desocupação teve sua primeira queda significativa desde o fim de 2014 e a população desocupada caiu quase 5%, o que representa 700 mil pessoas a menos. Registre-se, porém, que o bom resultado deve-se mais a altas no lado informal da economia, com trabalho sem carteira assinada e por conta própria.
Mesmo com os números positivos ao longo deste ano, o balanço de contratações e demissões no setor formal da economia ainda é negativo para períodos mais longos. Em 12 meses, o saldo é de 656 mil empregos perdidos, de acordo com estimativas da Tendências Consultoria publicadas pelo Valor Econômico (ontem os números oficiais só foram divulgados parcialmente pelo ministério).
A economia está mandando seu recado ao mundo da política: o Brasil precisa, quer e está preparado para voltar a produzir e gerar empregos. Basta que as crises que Brasília gera, às vezes num processo de combustão espontânea, cessem. Os brasileiros estão prontos para trabalhar para superar os erros que o PT cometeu e nos deixou de herança.
Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela

O Lula Real

Condenado a quase uma década de cadeia, o ex-presidente revelou na sexta-feira os atributos com os quais pretende voltar ao poder. E eles são os piores possíveis

Falta um ano e dois meses para a próxima eleição presidencial, mas um dos candidatos já está em plena campanha. Luiz Inácio Lula da Silva começará a rodar o país nesta semana para tentar voltar à presidência da República. Suas manifestações recentes, contudo, já indicam quem será preciso derrotar em 2018 para evitar que o Brasil retroceda ainda mais com um eventual retorno do PT ao poder.
Lula se revelou com todas as letras e cores em evento na Escola de Direto da UFRJ promovido na sexta-feira. Ali está o contorno e os atributos com os quais pretende se apresentar ao eleitorado - e eles são os piores possíveis. Está ressuscitado com tintas vívidas o candidato populista, demagogo, autoritário e antidemocrático que jaz no espírito e nos sonhos do petismo.
A turba o acolheu com ares de seita. O condenado a 9 anos e seis meses de cadeia pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro não se fez de rogado: investiu contra seus algozes, tripudiou das instituições do Estado de direito (sob aplausos entusiasmados de futuros rábulas) e prometeu que, se eleito, fará o que estiver ao seu alcance para calar um dos pilares da democracia republicana: a imprensa.
O Lula de hoje é ainda pior do que o Lula do passado. Suas diatribes tornam-se ainda mais graves porque saídas da boca de um ex-presidente da República. Lula não honra o cargo que ocupou por oito anos e que, mostram as investigações em marcha, conspurcou com sua desonestidade - os outros seis processos em que é réu o reiteram.
Lula prepara sua campanha - que, não tenhamos dúvida, ele sustentará mesmo dentro da cadeia - a bordo de um modelo bolivariano. Sim, o PT quer transformar o Brasil na Venezuela, país que se tornou a pior escória do mundo nos tempos atuais. Simplesmente porque o PT considera que o que acontece na Venezuela de Chávez e Maduro é o que deveria valer para o nosso Brasil.
Os ares de truculência também cercam a estrutura montada para dar suporte à caravana que Lula inicia pelo Nordeste a partir da próxima quinta-feira. Milícias ligadas a movimentos ditos "sociais" acompanharão a comitiva do petista à guisa de "promover sua segurança". Sempre prontos para briga, agirão, isso sim, como inibidores de eventuais protestos e instrumentos de coerção.
É este Lula radicalizado sob as bênçãos do PT que precisa ser derrotado nas urnas no ano que vem. O condenado a quase uma década de cadeia tem de ser confrontado com vigor redobrado, de modo a restar evidente o mal que ele encarna, na forma de populismo, demagogia, irresponsabilidade e desonestidade. Mas caberá também a seu adversário a temperança para evitar que o discurso do ódio que destilam os petistas não perdure mais. Fora Lula!
Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela
 

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Filete D'água

Poesia feita para minha filha Laura Marinho, em 03 de julho de 2017.

Surge um filete d'água límpida
Transparente, que você conhece o leito.
Vai crescendo, abrindo caminhos, 
criando afluentes vários que você se perde no navegar.

Em alguns momentos você não consegue sintonia
e remar fica difícil, desigual e atrapalhado
As forças são suplantadas pelas cachoeiras, quedas
e leitos turvos.

Como um afogado, você se agarra ao nada. 
sobe e desce, tentando ver algo.

Mas sabe que não pode sucumbir
É que aquele violento rio
é apenas um filete d'água
que desceu por entre seus dedos.

Allan Kardec Marinho, um pai que se pergunta muito......

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Encontro define regras para as eleições 2018 e aprova Distritão.


Após reunião realizada na residência do Presidente do Senado, Eunício Oliveira, ficaram definidas as mudanças para as eleições de 2018.

Pelas regras atuais, deputados federais, estaduais e vereadores são eleitos no modelo proporcional com lista aberta. A eleição passa por um cálculo que leva em conta os votos válidos no candidato e no partido, o chamado quociente eleitoral. O modelo permite que os partidos se juntem em coligações. Pelo cálculo do quociente, é definido o número de vagas que cada coligação terá a direito, elegendo-se, portanto, os mais votados das coligações.



No distritão, cada estado será transformado em um distrito. Em São Paulo, que tem direito a 70 cadeiras na Câmara, por exemplo, seriam eleitos os 70 candidatos mais votados, independentemente de coligação ou partido.
"Basicamente, ficou acertado que há necessidade de se fazer uma mudança no sistema eleitoral. E a mudança é uma transição aceitando o distritão. Mas quase todos, eu inclusive, defendemos aqui o voto distrital misto. [...] Como há dificuldade da questão do TSE criar os distritos já para 2018, então, deve ser votado o distritão em 2018, mas, na mesma cláusula do distritão, já [estará] a definição de que a próxima eleição se dará com o voto distrital misto", declarou Eunício após o jantar.
Segundo o presidente do Senado, todos os presentes ao encontro defenderam o distritão para 2018, exceto os do PT. Nenhum dos parlamentares do partido que participaram do jantar falou com a imprensa ao deixar o local.

Piracicaba realiza a 1ª Feira de Quadrinhos e Humor


 


Pela primeira vez, o Salão Internacional de Humor de Piracicaba, contará com uma feira para comercialização de livros de HQ e humor adultos e infantis, através da participação direta de editoras especializadas e também de livrarias e distribuidores. O evento acontece nos dias 22, 23 e 24 de setembro, das 10h às 20h.

A Feira tem como objetivo aumentar a área de atuação do Salão de Humor, que já conta com outros eventos paralelos – como o Salãozinho de Humor de Piracicaba – valorizando os produtos relacionados ao universo das artes gráficas. A expectativa dos organizadores é receber 15 mil visitantes durante os três dias do evento.

Feira de Quadrinhos terá 20 estandes, sendo que cada empresa poderá expor seus produtos em até dois espaços. Cada estande contará com balcão de atendimento, duas banquetas, três prateleiras na parede do fundo, iluminação adequada e uma tomada na voltagem do local. Além disso, serão providenciadas identificações iluminadas para cada expositor.

O valor simbólico de R$ 200,00, para cada estande, deverá ser feito por meio de depósito bancário e será destinado à Associação dos Amigos do Salão Internacional de Piracicaba (AHA). Cada editora participante deverá doar exemplares do seu acervo para a gibiteca que está em fase de construção no Centro Nacional de Humor Gráfico, para integrar o futuro Museu do Riso de Piracicaba.

Além da exposição e venda dos livros, a Feira contará com uma agenda de oficinas, workshops, palestras e stand-ups. Mauricio de Sousa, desenhista e criador da Turma da Mônica, será o homenageado da primeira edição do evento, no dia 24 de setembro.

O Parque do Engenho, local do evento, conta com diversos serviços disponíveis para os expositores e para os visitantes, como: rede Wi-Fi, segurança 24h, food-trucks, restaurantes, bares e lanchonetes. Tudo ao um custo acessível.

O evento é uma realização da Secretaria Municipal da Ação Cultural e Turismo da Prefeitura de Piracicaba, e da Associação dos Amigos do Salão Internacional de Piracicaba. A Feira de Humor também conta com o apoio institucional da Liga Brasileira de Editoras (LIBRE), da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e parceria do SESC Piracicaba.

As editoras interessadas em participar da Feira podem entrar em contato pelo e-mail contato@salaodehumor.piracicaba.sp.gov.br
 


 

STF discutirá liberdade religiosa em fotos para documentos de identificação

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) irá analisar se, em nome da liberdade religiosa, pode-se afastar obrigação imposta a todos quanto a requisitos para fotografia em documento de identificação civil. O tema é objetivo do Recurso Extraordinário (RE) 859376, que teve repercussão geral reconhecida nos termos da manifestação do relator, ministro Luís Roberto Barroso.
A União, autora do recurso, questiona decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que reconheceu o direito ao uso de hábito religioso em foto para a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), afastando aplicação de dispositivo da Resolução 192/2006 do Contran, que proíbe a utilização de óculos, bonés, gorros, chapéus ou qualquer outro item de vestuário ou acessório que cubra a cabeça ou parte da face.
O TRF-4 aplicou ao caso o disposto no inciso VI do artigo 5º da Constituição Federal, segundo o qual “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias”. Segundo entendimento do TRF-4, a norma do Contran tem a finalidade de garantir o perfeito reconhecimento fisionômico do candidato ou condutor e a utilização do hábito pelas religiosas não impede tal reconhecimento.
A ação civil pública foi ajuizada na instância de origem pelo Ministério Público Federal (MPF) a partir de representação de uma freira da Congregação das Irmãs de Santa Marcelina que foi impedida de utilizar o hábito religioso na foto que fez para renovar sua CNH. A foto da carteira anterior e de sua identidade foram feitas com o traje.
Na ação, o MPF qualificou como não razoável a vedação imposta pelo Detran do Paraná, tendo em vista que a utilização do hábito é parte integrante da identidade das Irmãs de Santa Marcelina, não se tratando de “acessório estético”. Também argumentou que impor a uma freira a retirada do véu equivaleria a exigir que um indivíduo retire a barba ou o bigode, afrontando a capacidade de autodeterminação das pessoas. Por fim, alegou que o impedimento ao uso do traje mitiga o reconhecimento pelo Estado à liberdade de culto.
No recurso ao STF, a União pede a reforma da decisão do TRF-4 e defende o abrandamento do dispositivo constitucional em face da norma infralegal para impedir a utilização de vestuário religioso na foto para cadastro ou renovação da CNH. Sustenta que a liberdade de consciência e de crença, assegurada pelo inciso VI do artigo 5º da Constituição, foi limitada pelo inciso VIII, segundo o qual “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei”. Para a União, isso significa que a liberdade religiosa não pode se sobrepor a uma obrigação comum a todos os cidadãos.
Repercussão geral
Ao se manifestar pelo reconhecimento da repercussão geral da matéria discutida no recurso, o ministro Luís Roberto Barroso afirmou que a questão constitucional consiste em definir se uma obrigação relacionada à identificação civil pode ser excepcionada pela liberdade religiosa assegurada pelo artigo 5º, inciso VI, da Constituição. Segundo o ministro, a padronização dos procedimentos para a emissão de documentos de identidade é um mecanismo indispensável à promoção da segurança pública, na medida em que minimiza as possibilidades de fraude e incrementa a ação estatal na persecução penal. Porém, a identificação civil, como qualquer ato estatal, encontra limites nos direitos e liberdades individuais.
“Dessa forma, os meios eleitos pelo Estado para certificar a identidade civil não podem desconsiderar a existência de uma liberdade individual de consciência e de crença. É certo, porém, que o exercício dessa liberdade impõe, por vezes, o uso de indumentária que, embora fundamental à preservação da identidade social e religiosa, pode ser incompatível com o padrão estabelecido para a fotografia de documentos de habilitação e identificação civil”, afirmou Barroso. O ministro observou que, no caso em questão, a promoção dos valores coletivos da segurança pública e jurídica frente à liberdade religiosa pressupõe avaliar se há um interesse comunitário no cumprimento por religiosos das restrições para a foto na CNH. Mais do que isso, é necessário apurar se o descumprimento dessas restrições importa em risco ao direito de terceiros.
Barroso lembrou que recentemente a Corte Europeia de Direitos Humanos rejeitou as alegações de afronta a dispositivos da Convenção Europeia dos Direitos do Homem por uma lei francesa de 2010 que baniu o uso, em locais públicos, de roupas que escondam o rosto. A representação formulada por uma mulher francesa e muçulmana, que viu a sua liberdade religiosa constrangida, foi desprovida por se considerar legítimo e proporcional restringir a liberdade individual em nome do respeito aos requisitos mínimos da vida em sociedade, assim como da proteção dos direitos e liberdades dos outros.
“Os limites que podem ser razoavelmente impostos às liberdades individuais em nome da preservação do valor comunitário dependem do contexto de cada comunidade e, sobretudo, do exame concreto da repercussão política, social, jurídica e econômica da solução encontrada para aquela coletividade”, assinalou.
A manifestação do relator foi seguida por unanimidade em deliberação no Plenário Virtual do STF. O mérito do caso será julgado pelo Plenário, ainda sem data definida.
VP/AD
Processos relacionados
RE 859376
Fonte : STF

terça-feira, 8 de agosto de 2017

A Morte da Democracia na Venezuela




Se o que está acontecendo lá inspira algumas de nossas forças políticas, como o petismo, é sinal de que o que almejam para o nosso país está longe de ser desejável pelo nosso povo
A instalação de um arremedo de assembleia constituinte selou o fim da democracia na Venezuela na última sexta-feira. Trata-se de uma morte anunciada que veio sendo construída tijolo a tijolo à medida que "o socialismo do século 21" foi sendo implantado naquele país pelas mãos de Hugo Chávez e depois por Nicolás Maduro. A ditadura agora é de fato e direito. 
O Legislativo era a última das instituições republicanas que ainda resistia ao totalitarismo das ações de Maduro. A instauração de uma constituinte à margem da lei, eleita com base em regras manipuladas e esdrúxulas, sufocou o último bastião democrático que ainda conferia algum verniz de normalidade à situação da Venezuela. Agora, não mais.
Sob ditadura, as condições de vida no país tendem a se agravar ainda mais. A Venezuela já abriga a cidade mais violenta do mundo, já convive com a maior taxa de inflação do mundo, tem uma das maiores populações em condição de pobreza do mundo. Sob ditadura, pior do que está fica.
A violência tende a escalar, como já prenunciou o levante deste fim de semana em Valencia. Desde que a atual crise foi deflagrada, em abril passado (veja aqui uma cronologia com a escalada dos conflitos feita pelo G1), mais de 100 pessoas morreram, milhares foram feridas e a normalidade deu adeus ao país. Se isso não é uma guerra civil, o que mais pode ser?
Sob presidência pro tempore do Brasil, o Mercosul teve reação altiva e tempestiva à instalação da assembleia ditatorial. A Venezuela, última a ser incorporada ao bloco, em 2012, foi suspensa neste fim de semana por violação da cláusula democrática. 
A situação venezuelana lança suas sombras sobre o Brasil. É representativa a posição externada pelo Partido dos Trabalhadores em nota oficial saudando a instauração da assembleia golpista em Caracas. Ainda pior foi a manifestação da presidente do partido, para quem o que há na Venezuela falta ao Brasil. 
"Suas [de Nicolás Maduro] atitudes, inclusive, contrastam em muito com a atual experiência de alguns vizinhos latino-americanos, que viram a democracia ruir após golpes parlamentares ou judiciais patrocinados pela união entre as elites econômicas e os partidos conservadores", escreveu Gleisi Hoffmann em artigo publicado há dez dias na Folha de S.Paulo
A Venezuela socialista do chavismo é uma experiência para ser conhecida e nunca mais repetida. Se o que está acontecendo lá serve de exemplo e inspiração para algumas de nossas forças políticas, como é o caso do petismo, é sinal de que o que almejam para o nosso país está longe de ser desejável pelo nosso povo. Que os petistas carreguem esse caixão para bem longe do Brasil.
Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela
 

ITV - Instituto Teotônio Vilela - SGAS 607 Edificio Metropolis Sala 30 - CEP: 70200-670 - Brasília-DF
Fone: 61 3424-0597 - Fax: 61 3424-0515 - itv@itv.org.br

sábado, 5 de agosto de 2017

Toma posse hoje a Academia Cearense de Cinema

  Hoje, as 9 horas, no Palácio da Luz, na Praça dos Leões, será a posse da mais nova Academia do Ceará: Academia Cearense de Cinema. O Presidente Régis Frota e o Presidente da Academia Cearense de Letras, Ubiratan Aguiar dão posse aos membros fundadores.
  São membros da Academia esse colunista, tendo como patrono Benjamim Abrahão Botto que realizou as únicas  imagens de Lampião e seu bando no sertão nordestino.
  Como também o nosso amigo Barros Alves, estudioso e escritor sobre cinema.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

O Mundo sem Melodia

O cantor Luiz Melodia faleceu aos 66 anos, com câncer, no Rio de Janeiro.


Festa da entrega da Medalha Ivens Dias Branco

Ao lado dos amigos para a entrega da Medalha Ivens Dias Branco ao homenageados: Família do Empresário Ivens Dias Branco, Empresário Carlos Manuel e o amigo André Eskinazi.

                                          Com o Empresário e amigo David Oliveira

Quando começar uma campanha eleitoral?

Muitas dúvidas giram em torno de quando começar uma campanha eleitoral. De acordo com mudanças na lei em 2016, os candidatos podem iniciá-la apenas nos 45 dias que antecedem as eleições, ou seja, é proibido pedir votos e apoio para as suas propostas antes deste período.
No entanto, as movimentações para a construção da imagem do candidato, por motivos óbvios, não podem esperar por este curto espaço de tempo que precede a votação.
As diferentes plataformas online devem ser exploradas antes do intervalo de 45 dias pelos indivíduos com foco em um possível primeiro mandato ou na reeleição, desde que não se apresentem oficialmente como candidatos.
É importante destacar que, no caso de políticos que buscam a reeleição, ela precisa ser iniciada ainda durante o mandato atual, por meio do atendimento às demandas e manutenção constante do relacionamento com os eleitores.
Listamos alguns primeiros passos para que a imagem pública seja construída de maneira eficiente e coesa, sempre respeitando as diretrizes legais.

Tenha foco no planejamento

Organização é um elemento indispensável para o sucesso de uma empreitada como essa. Ao longo do processo, vários imprevistos certamente vão surgir. Como trabalhar a redução e até mesmo a prevenção desses riscos?
O primeiro passo é definir metas, objetivos e necessidades políticas não apenas da campanha, mas também de uma possível conquista de mandato. Para isso, os envolvidos na empreitada (e o próprio candidato) precisam ter conhecimento sobre quem é a audiência, quais são os seus desejos e carências e de que forma ele os atenderá.
Assim sendo, o mapeamento dessa audiência online, o seu comportamento na internet, assim como a análise das atividades na internet dos concorrentes, é fundamental.
Essa estratégia permite a construção de mensagens que sejam eficientes para os possíveis eleitores, possibilitando coerência com o que os outros candidatos estão fazendo e sempre em busca de diferenciais.
Além do conhecimento sobre a audiência e os temas que vão ser priorizados na campanha, outros pontos devem ser definidos anteriormente à construção online da imagem desse indivíduo: a definição da equipe e a atividade realizada por cada um dos integrantes, orçamento e captação de recursos, direcionamento político (filosofia política), mídias que vão ser utilizadas, slogan, entre outros.

​Elabore o site e prepare as redes sociais

O site é o principal espaço de representação da campanha eleitoral na internet. Antes mesmo dos 45 dias, ele precisa ser cuidadosamente construído e gerido para que a imagem do candidato seja coesa e forte.
É importante apresentar esse indivíduo como uma figura pública que possui preocupações e é atuante no campo social. Demonstrar quais são os campos de atuação dessa pessoa e as esferas da sociedade que fazem parte de seu posicionamento ideológico é fundamental.
Além disso, explique a trajetória desse indivíduo, a sua formação e história. Mostre para a população que ele possui sintonia, preocupação e interesse em debater e atuar em temas e problemáticas sociais.
Procurar a interação com a audiência, por meio da realização de enquetes e pesquisas onde sejam explicitadas os desejos coletivos, é outra boa ideia.
Por fim, explore ferramentas multimídias. Não trabalhe apenas com texto. Fotos e vídeos são de grande importância para transmitir mensagens com maior clareza e engajar a audiência.
Além disso, materiais audiovisuais criam a sensação de proximidade, o que favorece a simpatia. Transmissões online (também conhecidas como lives) onde o indivíduo responde diretamente questões do público, por exemplo, criam vínculos mais fortes até mesmo com quem não pôde estar presente no momento.

Redes sociais

Esses espaços, além de divulgar todos esses materiais construídos pela equipe, favorecem as interações com a audiência. É importante que esses conteúdos sejam multimídia, como foi abordado, e que atuem em diferentes plataformas.
Por meio de links, um mesmo vídeo postado no Youtube leva ao site do candidato. Uma chamada de enquete no Facebook deve estabelecer a ligação com o portal, onde o questionário é realizado.
Lembre-se de que cada uma das redes possui uma funcionalidade própria que nem sempre atende ao perfil da audiência específica. Além disso, a atuação deve ser diferente em cada um desses espaços.
Os conteúdos divulgados no WhatsApp, por exemplo, por conta da configuração e do uso do próprio aplicativo, não podem ter a mesma estrutura dos que são postados no Instagram. O mesmo acontece com a comunicação por SMS, que possui um grande nível de eficiência.
A mensagem deve ser a mesma, mas o que muda é o envelope, a forma como ela vai interagir e chamar a atençao

Valorize a identidade visual da campanha eleitoral

Seja no site ou nas redes sociais, é preciso que essa empreitada política possua uma identidade visual coesa, única e que se relacione com a figura pública criada, assim como com a audiência. Esse é um elemento de grande importância que não pode ser descuidado.
A atenção às cores, tipografia e logotipo, dentre outros aspectos, fortalece a mensagem passada pela campanha. Dessa forma, os conteúdos elaborados se tornam mais eficientes e passam maior credibilidade.
Além disso, as imagens e símbolos utilizados ao começar uma campanha eleitoral precisam fazer sentido com o conjunto da identidade visual, assim como, é claro, serem feitos por profissionais especializados.

Garanta recursos financeiros

Todo o trabalho extraoficial de construção de imagem do candidato demanda bastante dedicação prévia — logo, exige capital. O caminho é longo e é necessário garantir toda a sua extensão.
Ao iniciar a estratégia, para que ela não apresente qualquer fragmentação ou até mesmo sofra interrupções, é fundamental assegurar a criação e manutenção contínua desses processos. Imagine um site ou rede social, que posta conteúdos de qualidade regularmente, deixando de funcionar ”de uma hora para outra”.
Para evitar isso, é preciso que o orçamento da comunicação seja preestabelecido e inclua possíveis gastos extras. A maneira mais tradicional para conseguir verba ainda é por meio da organização de eventos. Além disso, é possível criar mecanismos de arrecadação em plataformas online.
Para que essa última opção funcione, uma boa estrutura de comunicação online é indispensável, considerando que ela seja a representante da figura pública e uma grande captadora de apoiadores e colaboradores.
http://www.gerenciamentopolitico.com.br


Página Virada

Sem o apoio de reformistas convictos no Parlamento, o presidente Michel Temer poderá ficar nas mãos de um centro político de qualidade política duvidosa

A decisão tomada ontem pela Câmara dos Deputados de arquivar a denúncia contra o presidente Michel Temer abre caminho para que o país volte a promover as mudanças necessárias para deixar o fundo do poço em que ainda se encontra. Todas as energias devem ser postas numa ousada agenda de reformas e ajustes. Não há mais tempo a perder.
A lista é extensa e nela figura, com destaque, a reforma do falido sistema previdenciário brasileiro. Igualmente urgente, com prazo inarredável que se encerra daqui a dois meses, está a mudança no modelo eleitoral, para restaurar a legitimidade e a representatividade dos eleitos.
A aritmética da votação de ontem indica que o governo ainda tem condição de aprovar propostas que dependam de número mais alto de votos, como emendas constitucionais, e, de forma bem mais tranquila, apoio suficiente para votar projetos de leis que necessitem apenas de maioria absoluta.
Além dos 263 votos dados explicitamente a favor de Temer, as 21 ausências e abstenções da sessão desta quarta-feira podem ser computadas pró-governo, na sua quase totalidade. As defecções de ontem em partidos mais ideológicos da base, como PSDB e DEM, permitem somar mais 26 votos reformistas. Têm-se aí o mínimo exato para aprovar uma PEC. É pouco, mas até outro dia julgava-se que nem isso haveria mais - a base poderia, em tese, dar ainda mais 47 votos.
Estando a menos de um ano da campanha que desaguará na eleição do próximo presidente, é preciso ser realista. O prazo é exíguo e precisa ser integralmente empregado para fazer avançar ao máximo a agenda de reconstrução do país, de reordenamento do Estado e de reequilíbrio das contas públicas, estraçalhados pelo PT.
O triunfo de Temer não deve servir, porém, de chancela a métodos pouco republicanos de gestão e de fazer política. A situação extrema vivida nestes dois meses e meio em que o governo quase foi à lona explica as negociações heterodoxas para salvar o mandato - era matar ou morrer. Mas não justifica a perseverança num modelo que foi levado ao paroxismo pelo PT e que a população rechaça. Pelo menos não há mais mensalão...
São 17 meses à frente, nos quais o presidente da República poderia dedicar-se a construir um bom legado para o país, extirpar cancros de corrupção e dedicar-se com afinco a desmontar o leviatã estatal que o populismo petista nos legou. Se se dispuser a tanto, será merecedor de firme apoio.
O contrário disso equivale a sujeitar-se às práticas espúrias que tanto mal causam ao país e penalizam os brasileiros, sobretudo os mais pobres. Sem o apoio dos reformistas convictos, Michel Temer poderá ficar nas mãos de um centrão de qualidade política duvidosa.
Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela
 

ITV - Instituto Teotônio Vilela - SGAS 607 Edificio Metropolis Sala 30 - CEP: 70200-670 - Brasília-DF
Fone: 61 3424-0597 - Fax: 61 3424-0515 - itv@itv.org.br

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Câmara Municipal realiza sessão e aprova projetos e requerimentos

A Câmara Municipal de Maracanaú realizou a Sessão Legislativa votando 5 Projetos de Lei, sendo 2 dos Vereadores Raphael Pessoa Mota e Tales Alves Saraiva e um do Vereador Jeorgenes Castro e Silva. Foram votados ainda 14 Requerimentos Legislativos e 13 Requerimentos Verbais.
Dente eles temos solicitações de obras e informações, como o saneamento básico para todo o Distrito de Pajuçara, do Vereador Adauto Parente de Albuquerque.

Algo de Bom

Um homem é rico na proporção do número de coisas de que ele é capaz de abrir a mão.
                                                         Henry Thoreau, escritor americano (1817-62)


Dia da Sobrecarga da Terra

O dia 02 de agosto é considerado o Dia da Sobrecarga da terra ( Earth Overshoot Day), este dia marca o momento em que o sistema de produção e consumo absorveu todos os insumos naturais oferecidos pelo planeta previsto para os 12 meses do ano.

Algo de Bom

O Governo Federal extinguiu mais de 4 mil cargos comissionados, gerando economia de 193,5 milhões de reais. Hoje a quantidade de cargos na gestão é a menor dos últimos 12 anos e 60% dos cargos comissionados são ocupados por servidores de carreira.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Dicas de Poker - como jogar com pares médios.

As mãos mais traiçoeiras de se jogar são, sem dúvida, os pares médios.

Pares pequenos (22-66) são fracos o suficiente para o jogador menos experiente se sentir a vontade pra dar apenas call ou limp e esperar a sua trinca no flop investindo o mínimo possível. Esse é um pensamento correto, quando você tem as odds a seu favor.

A dificuldade maior está em jogar os pares médios (77-1010). Aqui a grande maioria dos jogadores se atrapalha bastante e acaba transformando mãos que deveriam ser lucrativas, no longo prazo, em mãos perdedoras. Por que isso?

A primeira questão está no fato de não conseguirem identificar os cenários com precisão apurada e ajustá-los à força relativa dessas mãos. Haverão alguns deles em que será melhor jogar apenas dando call no pre-flop, enquanto em outras situações o 3bet será a melhor linha.

Existe um elemento-chave que pode te guiar nesse sentido e ele se chama STACKS. A profundidade deles é o que deve nortear a sua ação. Como tudo o que você já ouviu falar sobre poker, a máxima de que não existem cartilhas também serve para esses casos. Não dá pra bater o martelo de que com "x" blinds você 3beta pra abraçar e com "y" blinds você vai só de call. É preciso se aprofundar mais nessa análise e eu não o farei aqui porque são milhares de variáveis pra abordar e eu teria que escrever um livro falando a respeito.

No entanto, vou deixar uma sacada pra reflexão. Quanto menor forem os stacks, melhor será o seu 3bet por valor com os pares médios. Se possível vá de all in direto. A medida que os stacks ultrapassam os 30 bbs é que a situação vai ficando mais difícil e você terá que decidir se vai dar só call no pre-flop ou se vai dar 3bet/call  (3bet por valor).

Por último vou deixar a mais importante sacada de todas: NUNCA dê 3bet/fold (3bet por blefe) com esses pares médios. Você estará blefando uma mão de valor e isso não é algo que devemos fazer. Transformar valor em blefe de forma indevida é um dos erros mais comuns que os jogadores menos técnicos cometem. Toda a atenção do mundo para isso! Pense antes de agir. Se optar por 3betar, esteja preparado pra dar call ou raise no 4bet do adversário. Caso não esteja preparado pra dar call ou raise no 4bet, vá só de call ao invés de 3bet Blz?

Tenho plena convicção que isso vai mudar muito a sua relação com essas mãos. Pode ser o pulo do gato pra você transformá-las de mãos perdedoras em mãos ganhadoras no longo prazo.
Abraços, 
Guilherme Chenaud | Equipe LineUP 
#VoaLineUP #PokerNossaVida

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Projeto de Iguatu representará o Brasil em torneio de empreendedorismo social em Londres


Criado por alunos do IFCE-Iguatu, o programa foi o vencedor entre os 68 times participantes do Campeonato Nacional Enactus Brasil 2017 em premiação ocorrida na noite da última sexta-feira, dia 21, no Rio de Janeiro


O time foi um dos quatro brasileiros a receberem, este ano, o incentivo de US$ 5 mil cada do Ford Motor Company Fund, braço filantrópico da Ford que promove ações sociais e de empreendedorismo social no Brasil e no mundo. “No começo, o projeto era voltado ao pequeno produtor rural. Com a parceria da Ford, conseguimos expandi-lo com cursos profissionalizantes e a criação de uma fábrica para a produção de polpa, doce e geleia que empoderou mais de 30 mulheres. Temos certeza de que a conquista do prêmio Enactus só foi possível graças a esse apoio. 
A Ford acreditou e acredita no nosso potencial, e vamos escrever uma linda história juntos”, afirma Kevin Brasil, líder do IFCE-Iguatu.
 O Projeto Mudas também promove cursos de informática para jovens e feiras de comercialização de produtos e assistência técnica especializada nas áreas de saúde, agricultura e estética.Ensinar a comunidade cearense a evitar o desperdício de alimentos por meio de palestras sobre a produção de frutas e hortaliças e a fabricação de bolos, polpas e doces é a proposta do Projeto Mudas.
 Criado por alunos do IFCE-Iguatu (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará), o programa foi o vencedor entre os 68 times participantes do Campeonato Nacional Enactus Brasil 2017 em premiação ocorrida na noite da última sexta-feira, dia 21, no Rio de Janeiro.
O grupo será o representante brasileiro na Enactus World Cup, que acontece em setembro em Londres.
 
“Nossa estratégia de Responsabilidade Social está baseada nos pilares de educação e sustentabilidade. A parceria com a Enactus nos permite unir essas duas premissas, com impacto positivo nas comunidades e no meio ambiente”, explica Adriane Rocha, gerente de Relações Corporativas da Ford Brasil. “O fato de o projeto vencedor ter sido o time do Ceará torna essa iniciativa ainda mais gratificante, pois conseguimos dar suporte a uma região de grande importância para nós – as operações da Troller estão baseadas na cidade de Horizonte – e com grande demanda por projetos de empreendedorismo social. ”
 
Com informações da assessoria de comunicação

Brasil avança na Proteção da camada de ozônio


Grupo coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente fixa estratégia para 2021. País já eliminou 34% do consumo de substância que afeta o ozônio.


                       O Brasil avança nas ações de proteção da camada de ozônio, responsável por filtrar a radiação ultravioleta nociva aos seres vivos. O Programa Brasileiro de Eliminação dos Hidroclorofluorcarbonos (HCFCs), substâncias que afetam a camada de ozônio, já possibilitou a retirada de 34% do consumo brasileiro cuja meta é de 35% para o ano de 2020, conforme o estabelecido pelo Protocolo de Montreal. Assinado por todos os países membros das Nações Unidas, o Protocolo completa 30 anos em setembro deste ano.
              O compromisso na segunda etapa do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs, o PBH, é retirar das cadeias produtivas 51,6% dessas substâncias a partir de janeiro de 2021. Para 2040, está previsto o banimento do HCFC, importado para a fabricação de geladeiras, aparelhos de ar condicionado e expansão de espuma para móveis como sofás e colchões.
                Está em fase de conclusão a minuta da Instrução Normativa apresentada na última reunião do Grupo de Trabalho coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), que reúne governo e representantes das empresas do setor. O encontro ocorreu, em São Paulo, na última semana.
               O documento, elaborado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em estreita articulação com o MMA, foi bem recebido pelas associações que representam os setores produtivos e será submetido à apreciação em consulta pública até o fim do ano.

AGILIDADE
                    As modificações propostas pelo Ibama, segundo o órgão, devem dar agilidade à coleta e ao tratamento de dados relevantes e de utilidade para o país. Depois de implementadas, facilitarão o rastreamento das substâncias controladas pelo Protocolo de Montreal, com acompanhamento desde a importação até a compra, venda e emprego pelo setor produtivo.
               A coordenadora-geral de Proteção da Camada de Ozônio do MMA, Magna Luduvice, explica que a evolução tecnológica já garante uma transição sem grandes impactos para a indústria. “Há várias opções de substituição que podem ser adaptadas a cada setor”, destaca.
                     
A partir de 1º de janeiro de 2020, a meta é eliminar 39,30% da utilização dos HCFCs em relação à média do consumo de 2009 e 2010. Para o HCFC-141b, um dos tipos mais empregados no mercado, o consumo será reduzido em 90,03% e a importação, destinada ao setor de espumas de poliuretano, proibida. A exceção, que corresponde a menos de 10%, é para as cadeias onde não há alternativa de substituição da substância.
Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA): (61) 2028-1227

Secretaria de Cultura de São Paulo apresenta diretrizes


           Realizado na quinta-feira (27), o Encontro com Prefeitos e com Dirigentes de Cultura do Estado de São Paulo reuniu representantes de mais de 240 municípios – cerca de 700 pessoas – do interior e litoral no Memorial da América Latina, em São Paulo. O evento contou com a presença do secretário da Cultura do Estado José Luiz Penna, o secretário-adjunto Romildo Campello, o ator Nuno Leal Maia e prefeitos, secretários, dirigentes de cultura e artistas de diversas regiões do Estado.
       Com apresentação do Maestro João Maurício Galindo, o evento iniciou com intervenção poética do ator Nuno Leal Maia e discursos de Elza Ambrósio, curadora do Memorial da Inclusão; Daniela de Cássia Santos Brito, prefeita de Monteiro Lobato e 3ª secretária da Associação Paulista de Municípios; e do deputado estadual Chico Sardelli.
         O secretário da Cultura do Estado José Luiz Penna discursou e anunciou novidades para a Cultura do Estado: o ProAC municípios, que levará o Programa de Ação Cultural para cidades do interior, e a volta do Revelando São Paulo, evento que reúne comunidades, grupos e artistas populares de todo o estado e celebra a cultura paulista tradicional.
       “Estamos trazendo o ProAC municípios para que vocês tenham mais acesso e encurtem as distâncias com a nossa Secretaria. Nós precisamos chegar a onde estejam os paulistas, que deverão receber as informações e o acolhimento da nossa área de trabalho, que é a cultura. Também vamos trazer de volta um dos maiores projetos da Secretaria, o Revelando São Paulo”, anunciou Penna.
          Após a declaração do secretário, outra novidade anunciada foi a Formação Cultural à Distância, divulgada pelo secretário-adjunto Romildo Campello, que discursou na sequência e explicou com detalhes os novos programas e também as ações da Secretaria da Cultura do Estado que já estão em andamento.
         
              Além de Nuno Leal Maia, o quarteto de cordas da Orquestra Jazz Sinfônica e grupos de cultura popular do interior se apresentaram durante o evento.
Fonte : Secretaria de Cultura SP